Azores Digital

--> Hoje, dia 12 de Dezembro de 2018

É preciso definir com clareza o conceito de gestão partilhada do mar para podermos extrair riqueza

Quarta, 26 de Agosto de 2015 em Política 1637 visualizações Partilhar É preciso definir com clareza o conceito de gestão partilhada do mar para podermos extrair riqueza

O cabeça de lista da Coligação CDS-PP/PPM “Aliança Açores”, Félix Rodrigues, insistiu, esta quarta-feira, na necessidade premente de “se definir com clareza o conceito de gestão partilhada do mar dos Açores, inscrito na Constituição”, para que os Açores e Portugal, no geral, possam tirar riqueza da imensidão do mar em torno da Região.

Após visitar o Aquário de Peixes Vivos de Porto Pim, na ilha do Faial, onde labora a empresa Flying Sharks, especializada na exportação de peixes vivos do mar dos Açores para os principais aquários e oceanários de todo o Mundo, Félix Rodrigues não tem dúvidas que “um dos conceitos que importa esclarecer tem que ver com a gestão partilhada do mar dos Açores, entre a República e a Região, porque a definição inscrita na Constituição não é clara”.

“No caso concreto dos Açores, a nossa enorme riqueza está no mar e, por isso, é daí que temos que tirar riqueza. É sobre esta matéria que temos que falar na República com convicção, porque acreditamos que não temos que pedir nada a Lisboa. As nossas águas são 14 vezes maiores que as águas territoriais continentais. Não temos que pedir nada a ninguém porque temos direitos”, afirmou o cabeça de lista da coligação CDS/PPM.

Partindo deste princípio, Félix Rodrigues, que se fez acompanhar nesta visita pelo candidato da coligação pela ilha do Faial, o advogado Manuel São João, é peremptório: “a gestão partilhada do mar implica uma discussão aprofundada, conhecedora e científica e, por isso, é preciso falar com quem sabe, e foi isso que viemos fazer reunindo com a Flying Sharks”.

Para a coligação “Aliança Açores” definir claramente o conceito da gestão dos recursos do mar dos Açores “implica que temos que definir competências associadas a esta gestão partilhada, temos que inovar ao nível da exploração dos recursos piscícolas e geológicos e é preciso que este processo garanta equidade de tratamento”.

Félix Rodrigues justificou a visita “por se tratar da temática do mar e da riqueza que podemos extrair do mar dos Açores e do mar português”, acrescentando que a empresa que explora e trabalha no Aquário do Porto Pim “requer muita inovação, muito conhecimento científico e que orgulha Portugal”.

 

Mais Populares